quarta-feira, 26 de abril de 2017

AS REVELAÇÕES DE UM EX AGENTE DA CIA JONH PERKINS "CONFISSÕES DE UM ASSASSINO ECONÔMICO"





Ex-agente da CIA e autor do livro "Confissões de um Assassino Econômico", fala de como funciona a tática de guerra econômica usada para subjugar nações.
“Confissões de um assassino econômico” (Confessions of an Economic Hit Man)
"A sutileza da construção desse império moderno faria os centuriões romanos, os conquistadores espanhóis e as forças colonizadoras européias dos séculos XVII e XIX se envergonharem. Nós, os Assassinos Econômicos, somos astutos; aprendemos com a história. Hoje nós não usamos espadas. Não envergamos armaduras ou roupas especiais para nos proteger. Em países como o Equador, a Nigéria e a Indonésia, nós nos vestimos como professores e donos de lojas. Em Washington e Paris, parecemos burocratas do governo e banqueiros. Parecemos humildes, normais. Visitamos os locais do projeto e passeamos pelas aldeias empobrecidas. Professamos o altruísmo, falamos oficialmente sobre as maravilhosas coisas humanitárias que estamos fazendo. Cobrimos as mesas de conferências das comissões dos governos com as nossas planilhas eletrônicas e projeções financeiras, e proferimos palestras na Harvard Business School sobre os milagres da macroeconomia. Somos conhecidos, acessíveis. Ou nos apresentamos como tais e somos aceitos. É assim que o sistema funciona. Raramente recorremos a alguma coisa ilegal porque o próprio sistema é construído sobre subterfúgios, e o sistema por definição é legítimo."
Perkins descreve com minúcias a estratégia dos Assassinos Econômicos, baseada no exagero do potencial de retorno econômico dos investimentos. Embora seus projetos sempre fossem descritos como humanitários, os objetivos reais eram obter contratos lucrativos para as firmas multinacionais de construção e atrair os países a contrair empréstimos que eles nunca conseguiriam pagar. Ele sabia que alguns políticos e famílias bem conectadas dentro desses países se tornariam muito ricos enquanto o padrão de vida da maior parte da população declinaria. Quando o pagamento dos empréstimos se tornava impossível, as agências de empréstimos e as grandes empresas então agiam para tomar o controle dos recursos e do governo do país, o que também era parte do plano.
"O aspecto velado de cada um desses projetos era que eles pretendiam criar grandes lucros para os contratantes, e fazer a felicidade de um punhado de famílias ricas e influentes nos países recebedores, enquanto assegurava a dependência financeira a longo prazo e, portanto, a lealdade política de governos ao redor do mundo. Quanto maior o empréstimo, melhor. O fato de que a carga da dívida colocada sobre um país privaria os seus cidadãos mais pobres da saúde, educação e de outros serviços sociais por décadas no futuro não era levado em consideração."
John Perkins trabalhou como economista-chefe da empresa Chas. T. Main, em Boston, entre 1971 a 1981. É considerado um especialista internacional no que se convencionou chamar de “macroeconomia”. Em entrevista ao programa “Democracy Now” (veja AQUI o vídeo), declarou acerca de seu livro: “Por várias fui convencido a deixar de escrever este livro. Recomecei-o mais de quatro vezes durante vinte anos. Em todas as ocasiões, a minha decisão de voltar a começar foi influenciada pelos acontecimentos mundiais da época; a invasão do Panamá em 1980, a primeira guerra do Golfo, a Somália e a revolta de Osama Bin Laden. No entanto, as ameaças ou os subornos acabaram sempre por me convencer a parar”.
Os relatos de Perkins nos levam a eventos históricos dos últimos 60 anos como a deposição do dirigente constitucional eleito democraticamente do Irã (e substituído pelo Xá Reza Pahlevi), Mohammed Mossadegh, na década de 50; o acordo político-econômico que garantiu a aliança entre Estados Unidos e Arábia Saudita; e as misteriosas mortes (ambas em acidentes aeronáuticos em 1981) dos presidentes do Equador - Jaime Roldós Aguilera – e do Panamá - Omar Torrijos – em um momento em que ambos representavam sérias ameaças aos interesses estadunidenses na América Central.
"Entretanto — e esse é um grande empecilho — se falharmos, uns tipos ainda mais sinistros entram em ação, os quais nós, os Assassinos Econômicos, chamamos de chacais, homens cuja linhagem remonta diretamente aos impérios primitivos. Os chacais estão sempre presentes, espreitando nas sombras. Quando eles aparecem, os chefes de Estado são derrubados ou mortos em violentos 'acidentes'. Se por acaso os chacais falham, como falharam no Afeganistão e no Iraque, então os antigos modelos ressurgem. Quando os chacais falham, jovens americanos são enviados para matar e morrer."
Trata-se de um livro, repito, chocante, dada a clareza com que são explicitados os meandros nos quais a cobiça e a sede de poder traçam rumos a um único objetivo: dinheiro. Perkins esteve no olho deste furacão e observa a cavaleiro suas conseqüências ainda hoje – em especial nos milionários contratos firmados por empresas estadunidenses (e aliadas) para a reconstrução do Iraque. O mesmo país que destruiu a infra-estrutura iraquiana lucra agora em sua reconstrução. Este fato é uma das muitas conseqüências da política exposta em “Confissões de um assassino econômico”.


Rodrigo Veronezi Garcia é Blogueiro e estuda sobre Mitologia, Religião, História, Arqueologia, Ciências Ocultas, Sociedades Secretas, Segredos Militares, Geo Politica, Parapsicologia, Ufologia.
Rodrigo Veronezi Garcia Rodrigo Veronezi Garcia

Nenhum comentário:

Postar um comentário