domingo, 28 de outubro de 2018

TEMPOS MALIGNOS PARA O BRASIL COM A ELEIÇÃO DE BOLSONARO



Nós somos 47 milhões de eleitores que fomos derrotados pela mentira e pelas falsas promessas de um mito furado, um farsante que não vai cumprir as suas promessas de campanha porque nos primeiros meses de governo vai brigar com o Congresso, vai brigar com o STF e vai atacar os órgãos de imprensa que foram os responsáveis pela criação deste monstro que foi eleito Presidente da República que nas suas falas prega o ódio contra os pobres,  nordestinos, negros, homossexuais, políticos socialistas, artistas, músicos e intelectuais que não concordam com suas idéias estúpidas e preconceitos e podem ter certeza que estes 54 milhões de eleitores que o elegeram Presidente vão estar nas ruas protestando contra ele nos próximos meses porque eles foram enganados pelas suas igrejas e pelas suas falsas promessas, e como ele mesmo falou que não tem pena de ninguém e que ninguém tem pena de ninguém e que o povo faz o que quiser com os seus votos e se elegeram ele agora se prepararem como gado para o abatedouro.  

Como eu li agora há noite no The Intercept "a cruzada do TSE contra as fake news era uma fake news e não podemos concordar com isto porque o STF o TSE e a imprensa criaram este monstro que pretende privatizar a educação e saúde pública, liberar a venda de armas para a população civil, dar carta branca para as polícias executarem criminosos, e tudo isto não vai resolver o problema da saúde pública, da violência e do desemprego e isto vai levar o pais ao caos e a convulsão social e estes são os tempos malignos que vamos viver nos próximos anos com ele na presidência e temos que resistir e continuar lutando por aquilo que acreditamos.    



Para a manada de eleitores do Bolsonario entenderem o Estado laico significa um país ou nação com uma posição neutra no campo religioso. Também conhecido como Estado secular, o Estado laico tem como princípio a imparcialidade em assuntos religiosos, não apoiando ou discriminando nenhuma religião.

Um Estado laico defende a liberdade religiosa a todos os seus cidadãos e não permite a interferência de correntes religiosas em matérias sociopolíticas e culturais.


O Brasil é oficialmente um Estado laico, pois a Constituição Brasileira e outras legislações preveem a liberdade de crença religiosa aos cidadãos, além de proteção e respeito às manifestações religiosas.

No artigo 5º da Constituição Brasileira (1988) está escrito:

“VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;”

Contudo, a laicidade do Estado pressupõe a não intervenção da Igreja no Estado, e um aspecto que contraria essa postura é o ensino religioso nas escolas públicas brasileiras.

Nos países que não são laicos (teocráticos), a religião exerce o seu controle político na definição das ações governativas. Nos países teocráticos, o sistema de governo está sujeito a uma religião oficial. Alguns exemplos de nações teocráticas são: Vaticano (Igreja Católica), Irã (República Islâmica) e Israel (Estado Judeu).


Existe também o conceito de Estado confessional, em que o Estado reconhece uma determinada religião como sendo a oficial da nação. Apesar disso, não se deve confundir Estado teocrático com Estado confessional, porque no primeiro caso é a religião que define o rumo do país, enquanto que no segundo a religião não é tão importante como no primeiro, mas ainda assim tem bastante mais influência do que em um Estado laico.

 Bolsonaro ganhou no Acre, no Amapá, no Amazonas, no Distrito Federal, no Espírito Santo, em Goiás, no Mato Grosso, no Mato Grosso do Sul, em Minas Gerais, no Paraná, no Rio Grande do Sul, no Rio de Janeiro, em Rondônia, em Roraima, em Santa Catarina e em São Paulo. Já Haddad venceu em Alagoas, na Bahia, no Ceará, no Maranhão, na Paraíba, em Pernambuco, no Piauí, no Rio Grande do Norte, no Sergipe, no Pará e no Tocantins.


"No Paraná, o candidato do PSL teve uma margem de votos ainda mais favorável: ele foi a escolha de 68,4% dos eleitores enquanto Fernando Haddad (PT) teve 31,57%. "
Em São Paul e Rio de Janeiro e diferença foi muito pequena e se não fossem as fake news e o apoio do Eexercito, da Igreja Universal e das Policias Civis e Militares o resultado poderia ter sido diferente e podem ter certeza que todos estes eleitores vão se arrepender de terem eleito este monstro.



O Professor Fernando Haddad teve 47 milhões de votos e os votos os votos nulos e brancos com as abstenções, houve um contingente de 42,1 milhões somando mais de 89 milhões de votos que são a oposição hoje no Brasil contra o Ditador Fascista Bolsonaro recebeu 57,7 milhões de votos graças aos disparos de fake news patrocinados por empresários brasileiros e estrangeiros interessados nas privatizações e na exploração da mão de obre do povo brasileiro.   

Nenhum comentário:

Postar um comentário